página inicial
+351 214 704 240 / Fax. +351 214 704 249
palves@dresenson-portugal.pt
sitemap

VIDRO LAMINADO

Por vezes é importante que um vidro ao partir se fraccione num elevado número de partículas que se soltem uma das outras, como o caso de uma montra, noutras situações convém que os fragmentos de vidro não se espalhem, como no caso dos automóveis, para que não ceguem o condutor, ou no caso da montra de uma ourivesaria ou de uma vitrine de um museu por forma a evitar que o assaltante tenha acesso ao interior. Para evitar tais incovenientes interpõem-se películas de polivinil entre dois ou mais vidros temperados, o que faz com que os fragmentos se mantenham agrupados (colados) numa superfície.

VIDRO LAMINADO DE PROTECÇÃO

A PROTECÇÃO DAS PESSOAS E BENS COMPATÍVEL COM A NECESSIDADE DE ESPAÇO, DE LUZ E DE DECORAÇÃO.

A noçao de protecção impõe-se cada vez mais, seja para responder às normas em vigor, seja simplesmente para responder à necessidade real da protecção, nomeadamente contra os riscos de ferimentos e contra os assaltos.

Nas casas, escritórios e estabelecimentos públicos justificam-se as necessidades comuns de protecção, de estética e de luz.

A PROTECÇÃO CONTRA O IMPATO DAS PESSOAS

A FUNÇÃO PARAPEITO

Um conjunto vidrado cumpre uma função de guarda-corpo se for montado em conformidade com as normas, ele permanece montado em caso de ruptura e retém o corpo que provocou a ruptura.

Os vidros laminados são recomendandos para este tipo de aplicação. Para certos vidros laminados a norma Francesa NF P 08.303, define as áreas máximas admissíveis.

Estas áreas são validas para vidros incorporados em guarda-corpos ou em paramentos com função guarda-corpos. Estes vidros podem ser montados em obra tanto em vidro simples como em vidro duplo. Para outro tipo de montagens, composições e dimensões somente ensaios conforme a regulamentação Francesa permitem a escolha do vidro laminado apropriado e sua colocação em obra. Um dos componentes do vidro laminado pode ser um componente de espessura equivalente ou superior ao tipo STOPSOL. Este tipo de composições permite nomeadamente a realização de fachadas totalmente envidraçadas, conforme a regulamentação e assegurando ao mesmo tempo uma função de controlo solar.

A PROTECÇÃO CONTRA VANDALISMO E ASSALTOS

NORMAS E TESTES

Paralisar um ataque com meios limitados ou retardar a passagem de objetos em casos de tentativa de assalto, necessita da utilização de vidros que pela sua resistência podem abortar toda e qualquer acção criminosa.

A PROTECÇÃO DA HABITAÇÃO CONTRA VANDALISMO E ASSALTOS

Para garantir a segurança de uma dada área e dos seus ocupantes, os vidros integrados muma caixilharia adaptada, devem ser elementos reais de dissuasão retardando os malfeitores na sua acção. Os vidros laminados contra o vandalismo e assalto foram desenvolvidos com esse objetivo.

Em caso de tentativa de roubo ou assalto, eles garantem o tempo para intervir ou dar alerta. Eles evitam igualmente o ter de fechar os postigos das janelas por um período curto de duração. Eles limitam os ferimentos provocados por choques acidentais.

Compatíveis com a maior parte das golas tradicionais, eles podem ser montados em qualquer lugar numa obra onde a função de segurança contra o roubo e assalto seja exigida: Janelas, portas de imóveis, varandas, porta-janelas, vãos envidraçados... cuja rigidez será em conformidade com as características dos produtos vidreiros.

O nível de protecção a considerar depende da importância do risco incorrido. Ele é nomeadamente ligado á natureza e valor dos bens a proteger, ao tipo de habitação (imóvel de fácil acesso ou não, casa própria...) e da sua localização (casa isolada ou não, proximidade da polícia...). A análise deste risco deverá ser feita caso a caso.

 A PROTECÇÃO CONTRA OS TIROS E ARMAS DE FOGO

Sempre que pensamos proteger as pessoas contra os riscos de agressão á mão armada (empresas finaceiras, bancos, postos de vigilância, instalações oficiais ou militares), escolheremos as referências do tipo Laminado que satisfazem aos ensaios oficiais Franceses. A norma Francesa NF P 78.401 define o procedimento de teste de resistência aos tiros de armas de fogo.

O vidro pertence à classe definida sempre que resista aos projeteis mencionados pela norma. Para colocação em obra dos vidros 33AB e AN4, o componente de maior espessura será montado do lado do impacto das balas.

MONTAGEM EM INTERIORES

No interior dos locais, a temperatura no centro do vidro é idêntica à temperatura ambiente.

MONTAGEM NOS EXTERIORES

AS LAJES DO CHÃO

Para realizar com toda a segurança degráus de uma escada e pisos luminosos ou transparentes que permitam uma claridade significativa, são recomendadas lajes de chão STADIP.

Diferentes efeitos podem ser obtidos escolhendo um STADIP transparente, de cor ( filme de cor, vidro de cor PARSOL) ou opalino (STADIP OPALINO).

Para uma utilização previligiando as suas qualidades estéticas, e com os níveis de segurança requeridos, é possivel realizar unidades com área que poderá atingir 3,20 m2 em segurança normal e 2,20 m2 em segurança excepcional.

No caso de um chão luminoso, deverá ser evitado nomeadamente o aquecimento excessivo do chão devido ao sistema de iluminação e deverá ser assegurada a ventilação entre o espaço e o chão.

Para chãos opalinos é necessário considerar uma distância mínima entre o STADIP e o OPALINO e a fonte luminosa afim de garantir uma boa difusão da luz.

A SEGURANÇA, A ARQUITETURA DE INTERIORES E A DECORAÇÃO

A arquitetura de interiores dá um lugar cada vez mais importante ao vidro, sinónimo de luz e espaço. A gama de vidros STADIP permite realizar com toda a segurança projetos de arranjos de interiores. Certos vidros da gama standard STADIP foram especialmente desenvolvidos pelas suas características estéticas (STADIP OPALINO, STADIP BRONZE, STADIP LISTRAL...).

A maior parte dos vidros com características decorativas (os vidros de cor (PARSOL, certos tipos de vidros impressos da gama MASTERGLASS e DECOVER*, os vidros serigrafados, os vidros foscados...) podem compor um vidro STADIP para a realização de divisórias, parapeitos, tectos falsos, portas encaixilhadas de interior e exterior, revestimento de paredes, mobiliário ou ainda elementos de sinalização. Para todas estas aplicações, que respeitarão as regras de montagem, os vidros STADIP proporcionam uma óptima utilizaçao apreciada em particular pelos profissionais de interiores. Assim, o processo de fabrico dos vidros STADIP oferece aos criadores a possibilidade de realizações originais e inovadoras.

COLOCAÇÃO EM OBRA

Os vidros STADIP devem ser montados seguindo as disposições do DTU 39 Francês e as nossas prescrições particulares.

A atenção dos projetistas e montadores está essecialmente centrada nos seguintes pontos:

GOLAS E ALTURA DE APOIO

MONTAGEM EM GOLA

A montagem em gola deve seguir as disposições dos DTU Franceses.

De uma forma geral, a montagem em gola deve implicar, que a gola cubra o vidro perifericamente numa faixa de pelo menos igual à espessura do vidro com um mínimo de 15mm. Sempre que o STADIP se destine à protecção das pessoas (parapeitos), consultar os paragrafos específicos. A protecção de bens e pessoas com o auxílio dos vidros STADIP performaces necessita de uma montagem específica. Deve-se assegurar em particular a boa fixação do caixilho de suporte à estrutura, a adequação da profundidade da gola e da montagem de aros interiores aparafusados.

ESTANQUICIDADE

Seguir as disposições do DTU 39 Francês. Preferir os sistemas de gola drenados visto que, o butiral de polivinil sendo um produto hidrófobo e, em contato permanente com a água correrá o risco de danificar o STADIP. Prescrever mastics à base de óleo de linhaça e assegurar por parte do fornecedor a compatibilidade do mastic com o butiral intercalar (DTU 39 Francês); certos silicones para colagem das juntas vivas de vidros não poderão ser utilizados para os laminados como nas golas de certos acrilicos. No anexo B 1, 3, 7 do DTU 39 é apresentado um ensaio que permite verificar a compatibilidade dos mastics de enchimento com os intercalares em butiral de polivinil.

VARIAÇÕES TÉRMICAS

Para qualquer instalação, é recomendado verificar que o STADIP não é susceptível de suportar choques por variações térmicas (especialmente os STADIP de cor certos STADIP SP e os MULTI-STADIP ANTI-BALA). De acordo com a cor e a composição escolhida, o coeficiente de absorção será maios ou menos elevado. Uma atenção especial é recomendada para a montagem.

Os Fatores susceptíveis de aumentar as variações térmicas serão estudadas em particular:

  • Existência de sombras projetadas sobre o STADIP (vidro exterior muito recuado face à parede exterior do edifício),
  • Proximidade de paredes ou elementos de construção opacos (situados pela face interior do vidro ou na proximidade deste),
  • Presença de um estore
  • Superposição eventual de folhas de uma janela de correr parcialmente aberta. O conjunto da instalação deve ser concebido para que resista às cargas transmitidas pelo STADIP (esforços exteriores, peso).

Outras Prescrições

É desaconselhável colocar geradores de calor muito perto dos vidros (focos luminosos, radiadores, etc...) visto que eles são susceptíveis de criar um aquecimento localizado. Do mesmo modo, nenhum ecran deverá ser posto no vidro (etiqueta colada, inscrição, letras coladas, etc...). Deverá ser assegurado, que o vidro STADIP não seja submetido de forma prolongada a uma temperatura de 60ºC.

Alguma informação não hesite em contactar.